segunda-feira, 5 de novembro de 2018

Discussão Pública da proposta de Programa para a Orla Costeira Caminha - Espinho


Imagem relacionada
Praia de Ofir (Esposende)
O processo referente à proposta de POC-CE pode ser consultado, durante o horário normal de expediente no edifício dos Serviços Centrais da APA - Alfragide/Amadora, na APA - ARH Norte - Porto, nas Capitanias dos Portos de Caminha, Viana do Castelo, Póvoa de Varzim, Vila do Conde, Leixões e Douro, nas Câmaras Municipais de Caminha, Viana do Castelo, Esposende, Póvoa de Varzim, Vila do Conde, Matosinhos, Porto, Vila Nova de Gaia e Espinho. Os documentos estão ainda disponíveis na Internet no Portal PARTICIPA.

No âmbito do processo de Discussão Pública serão ponderadas todas as observações e sugestões relativas à proposta de POC-CE, as quais devem ser dirigidas diretamente à Agência Portuguesa do Ambiente, I. P. e apresentadas por escrito através de correio, do Portal PARTICIPA ou para o endereço eletronico poc.ce@apambiente.pt até à data de termo da consulta.


O período de discussão pública tem início hoje, 5 de Outubro e termina a 14 de Dezembro de 2018.

terça-feira, 30 de outubro de 2018

Forte Velho do Outão

O Forte Velho do Outão, também conhecido por Forte do Zambujal, Forte do Facho ou Atalaião da Arrábida, foi construído no Séc. XVII (provavelmente entre 1649 e 1655) a mando do Rei D, João IV para colocação de artilharia que pudesse auxiliar na defesa da barra do Sado e do Porto de Setúbal.

Forte Velho do Outão (Fonte: Google Earth)
O Forte surge na forma de forte construído sobre plataforma de baluarte, o seu conjunto apresenta um circuito de muros altos, verticais que rematam em balcão corrido, vazado onde poderiam ter existido mata-cães (abertura no chão entre as ameias ou os balcões das fortificações medievais, através da qual se podia observar os atacantes e agredi-los com pedras, flechas, água fervente ou outros objectos) é ameado com abertas largas, com esplanadas em níveis diferenciados.

Mata-cães de uma fortaleza medieval (fonte: Wikipédia)
Em 1911 é que a artilharia de costa se individualizou como um dos ramos da Arma de Artilharia do Exército Português e a seguir à Segunda Guerra Mundial, uma comissão luso-britânica, coordenada pelo general britânico Barron, desenvolve um plano de defesa costeira da região de Lisboa. O chamado "Plano Barron" prevê um Comando de Defesa Costeira responsável pela coordenação de dois sectores de defesa costeira: norte - defendendo o rio Tejo e o Porto de Lisboa - e sul - defendendo o rio Sado e o Porto de Setúbal.
Entre 1948 e 1958, as baterias previstas no Plano Barron tornaram-se operacionais, a maioria das quais foi instalada em fortificações compostas por casamatas e paióis subterrâneos e armadas com peças navais de grande calibre instaladas em torres couraçadas.
Atendendo à sua posição privilegiada sobre o rio Sado, o Forte Velho do Outão foi escolhido para a instalação de uma dessas infraestruturas de defesa, a 7ª Bateria do Regimento de Artilharia de Costa (RAC). A construção desta unidade militar iniciou-se em 1944 e ficou operacional em 1954. Era composta por 3 peças de artilharia Vickers 152mm, de fabrico inglês, de médio alcance (10 – 20 km), pelo antigo forte e os aquartelamentos.

Porta de Armas (antes do encerramento) da 7ª Bateria do RAC (fonte: RAC - Blog)
Torres com peças de 152,4 mm (antes do encerramento) da 7ª Bateria do RAC (fonte: RAC - Blog)

Devido às evoluções tecnológicas (aviões bombardeiros de grande capacidade, misseis, etc.) a existência deste tipo de infraestruturas tornou-se obsoleta e em consequência disso, em 1998 o RAC foi desactivado e finalmente, em 2001 extinto. De referir que estas estruturas nunca foram utilizadas em contexto de conflito armado, tendo apenas realizado fogo real em contexto de exercício militar.

7ª Bateria do RAC em exercício de fogo real (fonte: Últimos disparos do "Muro Atlãntico" Português)
As unidades que faziam parte deste regimento foram desactivadas e abandonadas à sua sorte, tal foi o caso da 7ª Bateria, ficando o forte e todo o material remanescente, nomeadamente as peças de artilharia e estruturas conexas à mercê da pilhagem, vandalismo e destruição.

Um dos paiois suibterrâneos da 7ª Bateria

Este local é merecedor de uma visita, não só pela magnifica vista, mas também por revelar (ainda) uma página do nosso passado recente.


Localização do Forte


Referências:

Cinco desafios ambientais para o Natal

Os conhecimentos e a tecnologia evoluem, assim como as políticas de protecção ambiental, como tal e  partindo da politica dos 3R (Reduzir, Reutilizar e Reciclar), fala-se actualmente nos 5R (Repensar, Reduzir, Reaproveitar, Reciclar e Recusar), uma politica mais abrangente e complexa tendo em atenção que é necessário um consumo mais consciente e mais inteligente.
Assim como o Natal é por excelência a época de maior consumo, é importante termos em mente que os recursos naturais são limitados e que temos de adoptar uma atitude mais consciente, ficam aqui 5 desafios (um por cada R) para colocar em prática nesta quadra natalícia.


Todas as acções abaixo descriminadas são de igual importância, mas é importante que sejam executadas pela ordem apresentada.

1. Repense a sua lista de compras



Na época de Natal é normal agir-se por impulso, o "apelo" consumista é enorme e está sistematicamente pensado para que as pessoas consumam mais e mais, está na "mão" de cada um cortar com esta "lógica" e consumir apenas aquilo que é necessário.
Esta é também a altura da extensa lista de desejos expressa na "carta ao Pai Natal" em que invariavelmente os mais pequenos pedem este mundo e mais aquele, a educação é aquilo que de mais valioso podemos (e devemos) oferecer, é importante que desde muito novas as crianças sejam educadas para a sustentabilidade, a consumirem apenas o que necessitam e os produtos mais "amigos" do ambiente. Normalmente dá-se mais valor aquilo que é genuíno e sincero. Mais quantidade não é, nem nunca poderá ser sinónimo de mais amor ou mais e melhor amizade.

2. Reduza a produção de resíduos


Resultado de imagem para desperdicio alimentar

No período natalício  verifica-se igualmente um aumento considerável da quantidade de resíduos urbanos produzidos e que é necessário recolher e tratar.
E se produzíssemos menos resíduos? Comprando por exemplo coisas com menos embalagens ou evitássemos desperdiçar produtos alimentares. De um modo geral as pessoas (as que podem)  têm tendência para na quadra de Natal terem uma mesa "rica", muitas vezes com quantidade e variedade "insana" de alimentos que os convivas nunca teriam capacidade de consumir na integra, acabando as "sobras" por irem parar ao lixo.
Tente apenas comprar e preparar o que vai ser consumido, assim vai reduzir a produção de resíduos e poupar dinheiro que pode aplicar em algo de maior utilidade.

3. Reaproveite tudo o que puder


Resultado de imagem para embrulho papel jornal


Será que as embalagens, os papeis de embrulho e os lacinhos só podem servir uma única vez? Claro que não, podem ser abertos com cuidado (para não se danificarem), guardados e serem utilizados para embrulhar presentes noutras épocas festivas, os mais criativos podem mesmo reutilizá-los para fazerem objectos úteis no dia-a-dia.
E aquele bibelot que a sua tia-avó lhe ofereceu e que não condiz com a sua decoração? O que lhe vai fazer? Guardá-lo na arrecadação? Porque não lhe dar vida nova, pintando-o de outra cor por exemplo, ou oferecê-lo aquila amiga que adora objectos vintage.

E por falar em reaproveitar, porque não seguir as "velhas tradições" populares e aproveitar as "sobras" da Ceia de Natal para fazer uma das refeições de dia 25 ou 26? Deixamos aqui a receita da "Roupa Velha".

4. Separe os resíduos


Resultado de imagem para lixo epoca natal

Certifique-se que todos os resíduos que produziu são encaminhados para o destino mais adequado, garanta que por exemplo tudo o que possa ser reciclado é separado devidamente e encaminhado para o ecoponto indicado.
Para evitar que os resíduos se espalhem pelas ruas, informe-se se a recolha não é interrompida na quadra festiva, evitando colocar os resíduos nos contentores nos dias em que não há recolha.
Se o contentor, ou o ecoponto, já se encontrar cheio, por favor não abandone os resíduos, mesmo que devidamente acondicionados fora dos mesmo, procure outro contentor que ainda não esteja cheio,  andar mais uma dezenas (ou mesmo uma centenas) de metros, vai saber-lhe bem (para "dar cabo" da rabanada que comeu a mais) e o ambiente agradece. Se em todo o caso os contentores das imediações já estiverem todos cheios, considere guardar os resíduos em casa (numa varanda ou quintal, por exemplo) até que a recolha esteja normalizada.
Faça uma gestão inteligente dos resíduos que produz. 

5. Aprenda a dizer não


Imagem relacionada

Recuse-se a:

  • Consumir mais que o necessário;
  • Consumir produtos com impactos ambientais significativos;
  • Desperdiçar recursos;
  • Desperdiçar energia;
  • Fazer aquilo a que a "sociedade de consumo" o impele permanentemente a fazer;
Não alinhe em "carneiradas", seja um consumidor consciente.

A equipa Ambitare.com deseja-lhe Boas Festas



domingo, 16 de setembro de 2018

Níveis de Dificuldade nos Percursos Pedestres


O nível de dificuldade dos percursos pedestres resulta de uma estimativa subjectiva e é estabelecido tendo por base um conjunto de factores, que podem ser divididos em 3 grandes grupos: Estruturais, conjunturais e pessoais.

A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas em pé, sapatos, árvore, criança, ar livre e natureza
Actividade Ambitare.com

Começando pelos factores estruturais, neste grupo temos os factores imutáveis tais como: Distância, orografia, altitude, tipo de piso, etc.
Depois existem factores variáveis (conjunturais) que podem alterar o nível de dificuldade, tais como: Estado do tempo (temperatura, humidade do ar e precipitação), hora do dia, disponibilidade de água, acesso a meios de socorro, etc.
Mesmo assim o valor apresentado é meramente indicativo e pode variar de pessoa para pessoa, pois existem factores individuais que influenciam no rendimento e consequentemente na dificuldade do percurso, tais como: Idade, capacidade física, estado anímico, experiência na prática de actividades de campo, peso, ritmo de caminhada, roupa e calçado utilizado, peso e volume transportados, etc.
Assim, considerando o atrás exposto, foram estabelecidos 5 níveis de dificuldade para percursos pedestres, sendo que: Cada pessoa deve estar plenamente consciente das suas capacidades e limitações e caso considere que não se encontra em boa condição física e anímica, deve-se abster de efectuar o percurso, sob pena de se colocar em risco, a si e ao grupo que integra.

Níveis de Dificuldade (padrão internacional)


  • Fácil
    Qualquer pessoa que esteja de boa saúde pode participar sem problemas. Normalmente são distâncias curtas, realizados com bom tempo, têm declives suaves, bom piso, e o ritmo de caminhada é lento. Têm duração inferior a 3 horas com pelo menos 2 paragens de 10 minutos para comer/beber e descansar. Acessíveis a principiantes e crianças.
    Exemplos: Visitas a parques urbanos ou museus.
  • Moderado
    Um pouco mais difíceis que o anterior (fácil), e embora não requeira muito boa forma física, é necessário estar bem de saúde e estar habituado a caminhar, com distâncias até os 10/12 km, com alguns declives pouco acentuados e uma duração de 4/5 horas com pelo menos 1 paragem para comer/beber e descansar.
    Exemplos: Percursos por caminhos florestais em Parques Naturais, Percursos urbanos em cidades menos planas (como Lisboa), etc.
  • Moderado / Difícil
    Requer alguma preparação física dos participantes, a principal diferença em relação ao anterior (moderado) é fundamentalmente o tipo de piso (mais irregular) e a existência de mais troços declivosos. Percursos considerados de nível médio se forem feitos em condições climatéricas desfavoráveis, de noite ou numa altitude mais elevada devem ser classificados neste nível. A disponibilidade de material técnico como vestuário e calçado adequado e o uso de bastões de caminhada podem facilitar a tarefa.
    Exemplos: Percursos no topo de arribas, Percursos em serras mais elevadas (Gerês, Estrela ou Madeira p.e.)
  • Difícil
    Recomendável apenas a quem esteja em boa forma física e que tenha experiência em actividades de campo, normalmente desenvolvem-se em terrenos irregulares e com declives muito acentuados e em grande número, igualmente para percursos realizados em condições climatéricas desfavoráveis (temperaturas fora dos níveis de conforto, humidade do ar muito baixa, chuva forte e persistente ou neve), distâncias superiores a 30 km, ou mais de 20 km/dia durante vários dias. É essencial o uso de material técnico, nomeadamente vestuário e calçado adequado ao tipo de piso e ao estado do tempo esperado. Normalmente, para percursos de duração superior a 1 dia é necessário transportar uma mochila mais pesada com alimentação e água potável suficiente para o percurso, muda de roupa suplente e abrigo (tenda e saco cama).
    Exemplos: Peregrinações, travessias de Serras, etc.
  • Muito Difícil
    Apenas para quem esteja em excelente forma física e tenha muita experiência em actividades de campo, normalmente obriga ao uso de material técnico e a conhecimentos especializados nas áreas da escalada e do montanhismo. Frequentes os declives muito acentuados e a presença de obstáculos naturais de ultrapassagem tecnicamente complexa. Os percursos referidos anteriormente (nível difícil) quando realizados em condições climatéricas extremas ou em media/alta montanha.
    Devem ser cumpridas todas as normas e regras de segurança e bom senso. Pode existir risco de lesões graves ou mesmo morte.
    Exemplos: Caminhadas nas serras mais altas com neve, Caminhadas em locais semi-áridos com muito calor, etc.
Podemos então concluir que o nível de dificuldade de um percurso é estabelecido tendo por base um conjunto de factores, resultando numa classificação meramente indicativa, válida para a "média" dos praticantes, mas que tem necessariamente de ser adaptada tendo em atenção os factores variáveis e principalmente as capacidades e condicionantes pessoais, por exemplo um percurso classificado como moderado quando realizado por uma pessoa com excesso de peso, em condições ambientais desfavoráveis e a um ritmo elevado pode ser considerado difícil para essa pessoa.
A consciência das capacidades individuais e a experiência em actividades de campo é fundamental para a segurança, para além das características especificas do percurso a realizar, as capacidades e limitações dos participantes têm sempre de ser consideradas, e devem assumir um papel preponderante no planeamento e desenvolvimento da actividade. 

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

As grandes cheias de 1967 - E se fosse hoje?

Os especialistas afirmam que a probabilidade de um fenómeno semelhante ao de 1967 acontecer (período de retorno) é de uma vez a cada 500 anos, outros investigadores apontam para um período de retorno mais curto, cerca de um século. Mas independente da frequência, uma pergunta legitima subsiste, e se acontece-se novamente nos nossos dias?


Segundo o Sistema Nacional de Informação de Ambiente (SNIAmb) existem em Portugal Continental 23 "Zonas com Risco Potencial Significativo de Inundações", se  considerarmos um hipotético evento (período de retorno de 100 anos), nessas áreas especificas habitam mais de 50 mil pessoas que se encontram sujeitas ao risco de inundação.

Área potencial de inundação na área de Loures / Odivelas (Sistema Nacional de Informação de Ambiente)


Com base na experiência passada e em novos desenvolvimentos entretanto ocorridos foram identificadas zonas críticas (áreas com risco potencial significativo de inundações). A sua seleção foi efetuada a partir da análise de diversa informação, recolhida por diferentes organismos de abrangência nacional, regional e local, e armazenada numa base de dados específica alojada no Sistema Nacional de Informação de Recursos Hídricos (SNIRH). A informação recolhida foi obtida, fundamentalmente, a partir de estudos e relatórios e artigos sobre cheias, de projetos hidráulicos, de Planos de bacias Hidrográficas (1998-2001), de notícias sobre inundações, de dados hidrométricos (registos contínuos e marcas de cheia). Os dados recolhidos abrangem ocorrências associadas aos séculos XIX, XX e XI e de informação sobre a ocorrência de inundações e suas consequências (informação hidrológica e avaliação dos consequências de forma quantitativa ou qualitativa). Entre os critérios utilizados para seleção das zonas críticas foi a identificação de perdas de vidas humanas ou desaparecidos e do número de pessoas afetadas. As zonas críticas selecionadas, situadas em Portugal continental, foram analisadas tendo como base a descrição histórica de 651 aí registadas. A informação utilizada foi também cruzada com informação de uma outra base de dados de desastres naturais, de origem hidro-geomorfológica, visando a sua validação. Face à informação recolhida e sua análise, as zonas críticas selecionadas apresentam, em simultaneidade, as seguintes características: pelo menos uma pessoa desaparecida ou morta e no mínimo quinze pessoas afetadas (evacuados ou desalojados).

Lisboa, Rua de S. José em Outubro de 2015 (J. F. de Santo António

Se um fenómeno com a mesma amplitude acontecer actualmente, muito provavelmente a destruição será maior, infelizmente a memória é curta e embora alguns locais de risco elevado tenham sido renaturalizados e criadas infraestruturas de defesa para inundações e cheias rápidas, na maior parte dos locais onde os estragos foram mais avultados e onde ocorreram vitimas mortais, a ocupação do solo continua a ser desadequada e as pessoas que lá vivem estão em risco permanente.
A impermeabilização dos solos continuou, aquilo que eram bairros clandestinos, passaram a habitações permanentes, muitas vezes com vários pisos, continuou-se a construir junto dos cursos de água, habitação e mesmo grandes espaços industriais e comerciais, e a desviar, tapar e encanar ribeiras.
Mas nem tudo são más "noticias" se um fenómeno semelhante voltar a suceder nos próximos tempos a probabilidade de ocorrer um tão elevado número de vitimas é mais baixa, os sistemas de previsão e de alerta para fenómenos extremos evoluiu muito, agora as pessoas têm um acesso incomparavelmente melhor e mais rápido à informação e os sistemas e meios de socorro também melhoraram consideravelmente.
Em suma, se voltar a acontecer, ou melhor, quando voltar a acontecer, possivelmente os danos serão incomparavelmente mais extensos mas a perda de vidas humanas será menor.



Referência:

sábado, 25 de novembro de 2017

As cheias de Novembro de 1967

No dia 26 de Novembro de 1967, Portugal acordou com uma terrível noticia, a chuva que caíra abundantemente na noite e madrugada anterior tinha causado, na região de Lisboa, centenas de mortos.
O primeiro alerta ocorreu pelas 21:10 do dia 25 numa chamada para os Bombeiros Voluntários de Odivelas, as casas do lugar de Silvado estavam a ser invadidas pelas águas da ribeira.

Os efeitos das inundações (Revista Life)

Aquele sábado amanheceu chuvoso, uma chuva persistente que durou todo o dia, nada de anormal para um dia de Novembro, mas o pior estava para vir, ao principio da noite uma forte bátega abate-se sobre a capital e concelhos limítrofes. Entre as 19 e as 24 horas a estação meteorológica de S. Julião do Tojal (Loures) registou 111 mm (111 lt/m2), houve mesmo locais onde se registaram 170 mm, em apenas 5 horas choveu o equivalente a um quinto da precipitação média anual na região de Lisboa.

Mapa de precipitação do dia 25-11-1967 (IPMA)

Os mais de 700 mortos, embora oficialmente só tenham sido contabilizadas 462 vitimas, faz com que as cheias de Novembro de 1967, sejam consideradas a segunda maior catástrofe natural de que há noticia na região de Lisboa, logo depois do terrível terramoto de 1755.

Evolução do número de vitimas mortais entre o dia 30 de Novembro e 5 de Dezembro (Diário Popular)

Lisboa, Sintra, Loures, Cascais, Oeiras, Vila Franca de Xira, Alenquer, Arruda dos Vinhos, Almada e Barreiro foram os concelhos mais afectados, mas as consequências tiveram a mesma gravidade em todo o lado, se nos concelhos mais "ricos" os danos materiais foram mais elevados, foi porém nos concelhos limítrofes e especialmente na áreas economicamente mais desfavorecidas que os custos em vidas humanas foram mais elevados, como quase sempre eram os mais pobres que se encontravam mais vulneráveis e expostos ao perigo.

Registo das ocorrências na cidade de Lisboa na noite de 25 para 26 de Novembro de 1967 (C. M. de Lisboa)

As instituições do estado assistiram quase impotentes ao desenrolar da tragédia, ao poder politico que tinha sido incapaz de manter as pessoas a salvo, ordenando o território, impedindo a construção em áreas de risco e promovendo a habitação social em áreas seguras, pouco mais lhe restava do que gerir e controlar a informação, de modo a "cair" o melhor possível  na opinião pública.

As noticias era sujeitas à censura (A Republica)

A censura estava instituída e  em pleno funcionamento, não saía uma noticia ou um espectáculo que não fosse visado previamente, tudo o que fosse "incómodo" para o poder instituído era "cortado" ou "suavizado". Nestes dias, atendendo ao volume de informação e ao inesperado da situação os sensores tiveram muito "trabalho", e se conseguiram travar uma ou outra informação mais "sensível" mas não foi de todo possível encobrir os contornos e os efeitos da tragédia.

Noticia censurada (Diário Popular)

Ainda hoje não se sabe ao certo quantas pessoas faleceram, a determinado momento a comissão de censura ordenou aos jornalistas que parassem a "contagem" dos mortos, tendo o número oficial ficado nos 462, mas estudos posteriores avançam com um número a rondar os 700. 

Porque choveu tanto?


Os valores extremamente elevados de precipitação, explicam-se pela conjunção de dois fenómenos meteorológicos, por um lado uma depressão muito cavada que avançou de sudoeste e por outro lado uma frente fria vinda de norte, a conjugação rara dos dois sistemas resultou num volume de precipitação perfeitamente anormal, nunca registado em Portugal.

A "culpa" foi da natureza?


Será que a catástrofe se ficou a dever a uma fatalidade, um "capricho" da natureza, como o governo da altura e os principais órgãos de comunicação social fizeram crer?
Sim e não. Se de facto a causa próxima foi a precipitação anormal, agravada por factores naturais como por exemplo as bacias hidrográficas da área terem dimensões reduzidas e com tempos de resposta muito curtos o que propicia cheias rápidas, ou o pico da precipitação ter coincidido com a preia-mar, o que impediu o escoamento rápido da água para o Tejo. Por outro lado os factores humanos resultantes do mau ordenamento do território agravaram enormemente os seus efeitos nefastos.
Devido ao êxodo rural das décadas anteriores, muitos dos habitantes do campo rumaram à região de Lisboa à procura de emprego na "cintura industrial" de modo a melhorarem as suas condições de vida, mas a falta de alojamentos acabou por "empurrar" essa enorme massa de gente pobre para bairros clandestinos, erigidos normalmente em antigos terrenos agrícolas e em áreas de várzea junto dos cursos de água.

Baixa de Algés (Revista Life)

Habitações destruídas em S. João do Tojal (Diário de Lisboa)

Bairro da Ulmeira (Diário Popular)

Quintas, Castanheira do Ribatejo (Revista Flama)

Ilha das Minhocas (Século Ilustrado)

Por outro lado o crescimento das áreas urbanas foi feito sem se acautelar os efeitos das chuvas, enormes áreas foram desmatadas e impermeabilizadas, contribuindo dessa forma para o impedimento da infiltração natural da água nos solos, muitas das linha de água foram canalizadas e cobertas, normalmente com infraestruturas que não permitiam o volume de água verificado, construíram-se igualmente muitas estruturas transversais nas linhas de água, com a força da corrente aumentada com a quantidade de detritos transportados (a água arrastou tudo, desde árvores, moveis, barracas, etc) muitas dessas estruturas acabaram por colapsar contribuindo para o transbordo das linhas de água, permitindo que a mesma chega-se a lugares onde era de todo inesperada.
O "saldo" não podia ser mais trágico, para além das largas centenas de mortos, cerca de 20 mil casas ficaram inabitáveis e mais de 1100 pessoas ficaram desalojadas.

Video sobre as causas e os efeitos (Arquivos RTP)

Quintas, a aldeia "mártir"


Quintas era (e é) uma pequena aldeia a poucos quilómetros de Castanheira do Ribatejo no concelho de Vila Franca de Xira, nessa noite de 1967 a pequena povoação viu as águas do Rio Grande da Pipa subirem repentinamente mais de oito metros, submergindo quase a totalidade das casas, dos cerca de 150 habitantes da localidade mais de 100 pereceram na madrugada do dia 26, conseguindo-se salvar, quase por "milagre", os que conseguiram alcançar os telhados das casas ou qualquer outro ponto alto seguro.


Localização de Quintas (Google)

Famílias inteiras pereceram em Quintas, gente de todas as idades, cujas memórias se encontram actualmente perpetuadas em dois monumentos, um no largo da Igreja, inaugurado em 2008, onde figuram os nomes das vitimas, e outro um pouco mais abaixo, em pleno "coração" da área atingida pela catástrofe e associado a uma rua renomeada em 1996 como "Rua 26 de Novembro de 1967" em evocação de uma data que perdurará na memória dos sobreviventes e na  dos que viram partir inesperadamente os seus entes queridos.

Monumento em memória das vitimas de Quintas (J.F. Castanheira do Ribatejo)

Os efeitos das inundações de 1967 na sociedade


Antes do mais, este trágico episódio histórico ajudou a despertar consciências, muitas pessoas tomaram pela primeira vez conhecimento da miséria que viva paredes meias e que por ignorância ou por indiferença não viam, ou não queriam ver.
A "máscara" paternalista e protectora do "Estado Novo" começou a cair nessa altura, como se podia confiar num estado que dizia forte, mas que se mostrava incapaz de proteger os mais fracos dos caprichos da natureza e da ganância de alguns, esses sim "protegidos"?
Pela primeira vez o termo "ordenamento do território" passa para a ordem do dia, muitos começam a entender a importância de ordenar a localização das actividades e das funções económicas e sociais, torna-se evidente que é necessário colocar as pessoas longe do perigo.
A sociedade civil, encabeçada pelas associações de estudantes universitários substitui-se ao estado na ajuda às populações afectadas. Cerca de cinco mil estudantes foram para o terreno ajudar a resgatar mortos e feridos, limpar destroços, recolher e distribuir bens e fundos para apoiar os necessitados e a aplicar vacinas para impedir a proliferação de doenças infecto-contagiosas.

A participação dos estudantes (Diário de Lisboa)

O contacto com a realidade contribuiu para a consciencialização social e para a politização dos milhares dos voluntários.
As águas desceram, os mortos enterrados, os feridos tratados, as ruas lavadas e os que ficaram sem casa formam realojados, mas as inundações deixaram uma marca indelével por todos os que tiveram conhecimento directo ou indirecto da tragédia que de uma forma ou outra constitui-se como um ponto de viragem na nossa história recente, e contribuiu para mudar Portugal.

E se fosse hoje?


Os especialistas afirmam que a probabilidade de um fenómeno dessa magnitude acontecer (período de retorno) é de uma vez a cada 500 anos, outros porém apontam para um período de retorno mais curto, cerca de um século. Mas independente da frequência, uma pergunta legitima subsiste, e se acontece-se novamente nos nosso dias?

Área potencial de inundação na área de Loures / Odivelas (Sistema Nacional de Informação de Ambiente)

Se um fenómeno com a mesma amplitude acontecer actualmente, muito provavelmente a destruição será maior, infelizmente a memória é curta e embora alguns locais de risco elevado tenham sido renaturalizados e criadas infraestruturas de defesa para inundações e cheias rápidas, na maior parte dos locais onde os estragos foram mais avultados e onde ocorreram vitimas mortais, a ocupação do solo continua a ser desadequada e as pessoas que lá vivem estão em risco permanente.
A impermeabilização dos solos continuou, aquilo que eram bairros clandestinos, passaram a habitações permanentes, muitas vezes com vários pisos, continuou-se a construir junto dos cursos de água, habitação e mesmo grandes espaços industriais e comerciais, e a desviar, tapar e encanar ribeiras.
Mas nem tudo são más "noticias" se um fenómeno semelhante voltar a suceder nos próximos tempos a probabilidade de ocorrer um tão elevado número de vitimas é mais baixa, os sistemas de previsão e de alerta para fenómenos extremos evoluiu muito, agora as pessoas têm um acesso incomparavelmente melhor e mais rápido à informação e os sistemas e meios de socorro também melhoraram consideravelmente.
Em suma, se voltar a acontecer, ou melhor, quando voltar a acontecer, possivelmente os danos serão incomparavelmente mais extensos mas a perda de vidas humanas será menor.
Relembrar estas tragédias não pode ser apenas um exercício jornalístico ou uma evocação da memória das vitimas, tem de servir igualmente para recordar a todos a importância do ordenamento do território e para a consciencialização dos riscos, só assim as mortes dessa já longínqua noite de Novembro não terão sido em vão.

Por: Luís Baltazar

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Dia da Floresta Autóctone - 23 novembro

Uma Floresta Autóctone é uma floresta de árvores originárias do próprio território. Neste caso, a floresta autóctone portuguesa, é toda a floresta formada por árvores originárias do nosso país, como é o caso dos carvalhos, dos medronheiros, dos castanheiros, dos loureiros, das azinheiras, dos azereiros, dos sobreiros, etc.


Porque devemos dar importância às florestas autóctones?


  • As florestas autóctones estão mais adaptadas às condições do solo e do clima do território, por isso são mais resistentes a pragas, doenças, longos períodos de seca ou de chuva intensa, em comparação com espécies introduzidas;
  • Ajudam a manter a fertilidade do espaço rural, o equilíbrio biológico das paisagens e a diversidade dos recursos genéticos;
  • As florestas autóctones fazem parte do nosso ecossistema. São importantes lugares de refúgio e reprodução para um grande número de espécies animais autóctones, muitas delas também em vias de extinção;
  • As florestas autóctones exercem um importante papel na regulação e melhoria do clima, bem como no sequestro de carbono da atmosfera contribuindo para a redução do efeito estufa;
  • Regulam o ciclo hidrológico e a qualidade da água, formam solo e servem ainda de matéria-prima a produtos fundamentais na vida quotidiana;
  • As florestas autóctones, embora de crescimento mais lento, quando bem desenvolvidas, são normalmente mais resistentes e resilientes aos incêndios florestais.
Novembro é a época ideal para plantar árvores de espécies autóctones. Uma sugestão adicional - em março, no Dia Internacional das Florestas, aproveite para verificar se as jovens árvores necessitam de rega.

Referências: