domingo, 16 de setembro de 2018

Níveis de Dificuldade nos Percursos Pedestres


O nível de dificuldade dos percursos pedestres resulta de uma estimativa subjectiva e é estabelecido tendo por base um conjunto de factores, que podem ser divididos em 3 grandes grupos: Estruturais, conjunturais e pessoais.

A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas em pé, sapatos, árvore, criança, ar livre e natureza
Actividade Ambitare.com

Começando pelos factores estruturais, neste grupo temos os factores imutáveis tais como: Distância, orografia, altitude, tipo de piso, etc.
Depois existem factores variáveis (conjunturais) que podem alterar o nível de dificuldade, tais como: Estado do tempo (temperatura, humidade do ar e precipitação), hora do dia, disponibilidade de água, acesso a meios de socorro, etc.
Mesmo assim o valor apresentado é meramente indicativo e pode variar de pessoa para pessoa, pois existem factores individuais que influenciam no rendimento e consequentemente na dificuldade do percurso, tais como: Idade, capacidade física, estado anímico, experiência na prática de actividades de campo, peso, ritmo de caminhada, roupa e calçado utilizado, peso e volume transportados, etc.
Assim, considerando o atrás exposto, foram estabelecidos 5 níveis de dificuldade para percursos pedestres, sendo que: Cada pessoa deve estar plenamente consciente das suas capacidades e limitações e caso considere que não se encontra em boa condição física e anímica, deve-se abster de efectuar o percurso, sob pena de se colocar em risco, a si e ao grupo que integra.

Níveis de Dificuldade (padrão internacional)


  • Fácil
    Qualquer pessoa que esteja de boa saúde pode participar sem problemas. Normalmente são distâncias curtas, realizados com bom tempo, têm declives suaves, bom piso, e o ritmo de caminhada é lento. Têm duração inferior a 3 horas com pelo menos 2 paragens de 10 minutos para comer/beber e descansar. Acessíveis a principiantes e crianças.
    Exemplos: Visitas a parques urbanos ou museus.
  • Moderado
    Um pouco mais difíceis que o anterior (fácil), e embora não requeira muito boa forma física, é necessário estar bem de saúde e estar habituado a caminhar, com distâncias até os 10/12 km, com alguns declives pouco acentuados e uma duração de 4/5 horas com pelo menos 1 paragem para comer/beber e descansar.
    Exemplos: Percursos por caminhos florestais em Parques Naturais, Percursos urbanos em cidades menos planas (como Lisboa), etc.
  • Moderado / Difícil
    Requer alguma preparação física dos participantes, a principal diferença em relação ao anterior (moderado) é fundamentalmente o tipo de piso (mais irregular) e a existência de mais troços declivosos. Percursos considerados de nível médio se forem feitos em condições climatéricas desfavoráveis, de noite ou numa altitude mais elevada devem ser classificados neste nível. A disponibilidade de material técnico como vestuário e calçado adequado e o uso de bastões de caminhada podem facilitar a tarefa.
    Exemplos: Percursos no topo de arribas, Percursos em serras mais elevadas (Gerês, Estrela ou Madeira p.e.)
  • Difícil
    Recomendável apenas a quem esteja em boa forma física e que tenha experiência em actividades de campo, normalmente desenvolvem-se em terrenos irregulares e com declives muito acentuados e em grande número, igualmente para percursos realizados em condições climatéricas desfavoráveis (temperaturas fora dos níveis de conforto, humidade do ar muito baixa, chuva forte e persistente ou neve), distâncias superiores a 30 km, ou mais de 20 km/dia durante vários dias. É essencial o uso de material técnico, nomeadamente vestuário e calçado adequado ao tipo de piso e ao estado do tempo esperado. Normalmente, para percursos de duração superior a 1 dia é necessário transportar uma mochila mais pesada com alimentação e água potável suficiente para o percurso, muda de roupa suplente e abrigo (tenda e saco cama).
    Exemplos: Peregrinações, travessias de Serras, etc.
  • Muito Difícil
    Apenas para quem esteja em excelente forma física e tenha muita experiência em actividades de campo, normalmente obriga ao uso de material técnico e a conhecimentos especializados nas áreas da escalada e do montanhismo. Frequentes os declives muito acentuados e a presença de obstáculos naturais de ultrapassagem tecnicamente complexa. Os percursos referidos anteriormente (nível difícil) quando realizados em condições climatéricas extremas ou em media/alta montanha.
    Devem ser cumpridas todas as normas e regras de segurança e bom senso. Pode existir risco de lesões graves ou mesmo morte.
    Exemplos: Caminhadas nas serras mais altas com neve, Caminhadas em locais semi-áridos com muito calor, etc.
Podemos então concluir que o nível de dificuldade de um percurso é estabelecido tendo por base um conjunto de factores, resultando numa classificação meramente indicativa, válida para a "média" dos praticantes, mas que tem necessariamente de ser adaptada tendo em atenção os factores variáveis e principalmente as capacidades e condicionantes pessoais, por exemplo um percurso classificado como moderado quando realizado por uma pessoa com excesso de peso, em condições ambientais desfavoráveis e a um ritmo elevado pode ser considerado difícil para essa pessoa.
A consciência das capacidades individuais e a experiência em actividades de campo é fundamental para a segurança, para além das características especificas do percurso a realizar, as capacidades e limitações dos participantes têm sempre de ser consideradas, e devem assumir um papel preponderante no planeamento e desenvolvimento da actividade. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário